Pular para o conteúdo principal

"Leia as placas, Daniel!" - #DicadeViagem

Com a quantidade de aplicativos que a gente dispõe atualmente para nos assistir em tudo o que pudermos precisar, já dá pra imaginar que existem vários exclusivamente dedicados a viagens, certo? O Google Maps é o campeão para encontrar os trajetos mais curtos, identificar onde estamos quando nos perdemos e para procurar os melhores estabelecimentos das redondezas. Porém (é claro que há um porém), estes aplicativos e tecnologias nos deixam cegos para as coisas mais evidentes.

Morei um ano na Inglaterra durante o meu doutorado e tive o prazer de viajar por alguns países europeus. Na maioria das minhas viagens, contei com a companhia da minha amiga que é a maior detentora de frases de impacto que eu conheço. Quando nos víamos perdidos em algum lugar, procurando freneticamente por uma direção nos nossos celulares, ela era a primeira a se tocar do óbvio e sempre me dizia: "Daniel, as placas! Leia as placas, Daniel!". E essa frase nunca saiu da minha cabeça.

Eu ADORO aplicativos e dispositivos que possam facilitar o que antes não era tão prático e gosto também de saber que temos uma enxurrada de informações à nossa disposição na palma da mão, mas não podemos nos esquecer da sinalização óbvia ao nosso redor. Parece muito bobo o que estou dizendo, mas perceba como essas tecnologias nos distraem. Às vezes é uma placa e outras vezes é uma perguntinha a um morador local que podem tornar a experiência mais fácil e memorável do que ficar com a cara "enfiada" em um celular.

A dica de viagem de hoje é: use seus dispositivos e aplicativos sim, mas, como sempre alertou minha amiga Angélica, não esqueça de ler as placas. Aproveite até para aprender algumas palavrinhas nos idiomas locais enquanto toma algumas direções. :)

Comentários

Postar um comentário



Postagens mais visitadas deste blog

Como acessar artigos científicos gratuitamente sem estar na rede da sua instituição de ensino?

" Artigo científico é o trabalho acadêmico ou científico que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico ou inferência conforme a hermenêutica das humanidades, cujo conhecimento produzido é aceito por uma comunidade de pesquisadores. Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou resultados obtidos." (Fonte: Wikipédia ) O acesso a artigos científicos publicados por importantes revistas e editoras tem, quase sempre, algum custo associado. Recentemente, tem se tornado comum a publicação de artigos no modo Open Access (acesso aberto), o qual não requer que seus leitores façam qualquer tipo de pagamento ou cadastro, mas que só é publicado mediante o pagamento de altas taxas , recurso que nem todo pesquisador tem ao seu alcance. Alunos co

Você sabe o que é Computação em Névoa?

Provavelmente você já ouviu falar sobre a "nuvem". Segundo a Wikipédia, a computação em nuvem  é "a disponibilidade, sob demanda, de recursos computacionais, especialmente armazenamento e processamento de dados, sem o gerenciamento ativo direto do utilizador." Este é um termo bastante conhecido e que já faz parte do nosso dia a dia, provendo serviços e aplicações de vasto uso, como, por exemplo, o Google Drive, o Trello ou dando suporte a aplicativos de celular como Uber e iFood. Agora, pergunto: você já ouviu falar em computação em névoa ? É isso mesmo que você leu: névoa (ou neblina) . Trata-se de um novo paradigma na área de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos, inventado em 2012, que tem ganhado espaço para o suporte a aplicações muito importantes, como a Internet das Coisas. Venha saber um pouco mais sobre a tal Computação em Névoa assistindo ao Estudo de Caso que liberei como material integrante do Curso Aberto de Redes: Ei! Você, educador ou educado

Dia de Vincent van Gogh é comemorado em 30 de março #VanGoghDay

Por Vincent van Gogh (Google Cultural Institute, domínio público ) No dia 30 de março é comemorado o Van Gogh Day. Eu não tenho propriedade nenhuma para falar sobre artistas dessa magnitude, mas uma coisa eu posso afirmar: as obras dele me agradam e inspiram. Para entender melhor quem foi Van Gogh, vou apelar para a especialista mais acessível da Internet: " Vincent Willem van Gogh (Zundert, 30 de março de 1853 – Auvers-sur-Oise, 29 de julho de 1890) foi um pintor holandês considerado uma das figuras mais famosas e influentes da história da arte ocidental. Ele criou mais de dois mil trabalhos em pouco mais de uma década, incluindo por volta de 860 pinturas a óleo, a maioria dos quais durante seus dois últimos anos de vida. Suas obras abrangem paisagens, naturezas-mortas, retratos e autorretratos caracterizados por cores dramáticas e vibrantes, além de pinceladas impulsivas e expressivas que contribuíram para as fundações da arte moderna." (Fonte: Wikipédia ) In