Pular para o conteúdo principal

A #CCXP é uma baita experiência

Participei da Comic Con Experience (#CCXP para os íntimos) no domingo, dia 8 de dezembro, em São Paulo. A experiência merece destaque para o tamanho da estrutura de um evento com duração de apenas 4 dias.





Antes de mais nada, preciso dizer que fui para São Paulo no auge da finalização do semestre letivo, momento crucial em que cada segundo do final de semana conta para acompanhar o ritmo insano de trabalho, mas a "escapada" serviu como um belo relaxamento mental. Já o corpo...

Eu não sou uma pessoa que morre de amores por eventos grandes, cheios de pessoas e caros. Fui na onda do João, da minha irmã e dos nossos amigos, que estavam empolgados para as novidades, estandes das grandes produtoras e todo aquele universo de estórias. Na minha cabeça só pipocava uma coisa: "vou me estressar com a quantidade de pessoas." (Haha, negativo? Bobagem!)


Ao entrar no salão do São Paulo Expo, local de realização da CCXP, senti uma energia que só havia vivido uma vez na vida: quando visitei Orlando e os parques da Disney e da Universal. Sei que a CCXP tem propósito e tamanho bem menores em comparação a esses parques, mas a experiência e a sensação foram muito parecidas.


Os destaques positivos vão para as atrações. A Amazon, que não tem mais onde anunciar o seu Netflix Prime Video, estava bem munida de estandes interessantes. O espaço da Riot era um dos mais bonitos do evento. Os cenários de Stranger Things, na Netflix, chamavam bastante atenção. Até mesmo o Globoplay que, apesar de ter um estande grande, tecnológico, mas com atrações que não me interessam muito, nos deu uma feliz surpresa: uma TARDIS pra alegria dos whovians (aliás, eu e meu grupo inteiro). E a maior surpresa positiva do dia: SBT. O próprio, que foi de pegadinha do elevador, passando pela vila do Chaves até os programas de auditório do Silvio Santos.





Os destaques negativos vão também para as atrações. Decepção imensa com a Netflix, que esgotou as pulseiras em poucos minutos, operando num esquema com limite de vagas bem limitado. E a HBO, que investiu zero esforços para o estande, que foi o mais decepcionante da vida. Sério, vai ser difícil superar esse título.

Gostei muito também do concurso de Cosplay. Há uma linha de criatividade interessante, apesar de meio amador em alguns aspectos. Foi legal ver o Lucas Silva e Silva, err o Pedro do Castelo Rá-Tim-Bum, err o Luciano Amaral apresentando o concurso. Saí de lá querendo um Drag Con na próxima edição, mas acho que esse seria um sonho distante (ou não?).



Em 2020 a promessa é ir de novo e apostar no cospobre de viajante no tempo. Não vou dizer que a inspiração é Doctor Who senão vocês vão dizer que sou previsível.




Parabéns, CCXP!

Bônus: claro que a gente turistou em São Paulo. :)





Comentários



Postagens mais visitadas deste blog

Você sabe o que é Computação em Névoa?

Provavelmente você já ouviu falar sobre a "nuvem". Segundo a Wikipédia, a computação em nuvem  é "a disponibilidade, sob demanda, de recursos computacionais, especialmente armazenamento e processamento de dados, sem o gerenciamento ativo direto do utilizador." Este é um termo bastante conhecido e que já faz parte do nosso dia a dia, provendo serviços e aplicações de vasto uso, como, por exemplo, o Google Drive, o Trello ou dando suporte a aplicativos de celular como Uber e iFood. Agora, pergunto: você já ouviu falar em computação em névoa ? É isso mesmo que você leu: névoa (ou neblina) . Trata-se de um novo paradigma na área de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos, inventado em 2012, que tem ganhado espaço para o suporte a aplicações muito importantes, como a Internet das Coisas. Venha saber um pouco mais sobre a tal Computação em Névoa assistindo ao Estudo de Caso que liberei como material integrante do Curso Aberto de Redes: Ei! Você, educador ou educado

Como gravar vídeo-aulas de forma fácil e gratuita | Dicas #COVID19

Este é um post tutorial para ajudar quem precisa transmitir ou disponibilizar material gravado durante as medidas de contenção do COVID-19 . Fique em casa e aproveite para aprender. Instalando o software OBS Studio O Open Broadcaster Software (OBS) é de código aberto e distribuído gratuitamente no endereço obsproject.com . O OBS Studio é multiplataforma e está disponível para Windows, Mac OS e Linux. Baixe o software adequado para o seu sistema operacional e instale-o; Ao abrir o OBS Studio pela primeira vez, utilize o "Assistente de Configuração" para deixá-lo preparado para o que você precisa. Basta seguir os passos e escolher entre gravação e transmissão em tempo real. Preparando o ambiente para a gravação Ao abrir o software, você vai se deparar com a seguinte interface: Identifique a caixa chamada "Fontes" na parte inferior do programa; Dentro dela, selecione o botão "+"; Escolha "Dispositivo

Como acessar artigos científicos gratuitamente sem estar na rede da sua instituição de ensino?

" Artigo científico é o trabalho acadêmico ou científico que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico ou inferência conforme a hermenêutica das humanidades, cujo conhecimento produzido é aceito por uma comunidade de pesquisadores. Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou resultados obtidos." (Fonte: Wikipédia ) O acesso a artigos científicos publicados por importantes revistas e editoras tem, quase sempre, algum custo associado. Recentemente, tem se tornado comum a publicação de artigos no modo Open Access (acesso aberto), o qual não requer que seus leitores façam qualquer tipo de pagamento ou cadastro, mas que só é publicado mediante o pagamento de altas taxas , recurso que nem todo pesquisador tem ao seu alcance. Alunos co