Pular para o conteúdo principal

Direitos autorais em materiais didáticos: perguntas, respostas e caminhos possíveis


Esta semana tive o prazer de participar de um bate papo transmitido ao vivo via YouTube para discutir direitos autorais em materiais didáticos. Quem me conhece sabe que não tenho formação nessa área, mas sempre acompanhei questões de licenciamento ligadas a softwares livres e/ou de código aberto, então posso afirmar que tenho alguma familiaridade com certas licenças.

O convite surgiu em etapas: inicialmente, fui convidado a compor a Comissão de Planejamento e Execução das Ações para Aprendizagem Colaborativa da UTFPR Curitiba, que já vinha fazendo um trabalho essencial durante o período de suspensão de atividades presenciais na nossa instituição, investindo na formação para o ensino remoto. Em um segundo momento, identifiquei a necessidade de colocar o assunto de direitos autorais em pauta, ideia que foi apoiada pela comissão. E, finalmente, chegamos ao nome da Advogada e Profa. Ana Paula Myszczuk, especialista no assunto, que prontamente aceitou o convite.

Nossa proposta foi de explorar o assunto no formato de bate-papo, onde assumi o papel de provocador sintetizando questionamentos que todos temos e contando com os esclarecimentos técnicos da Ana Paula. Em meio às perguntas e respostas, fomos mostrando caminhos possíveis para a audiência tanto em termos de escolha de licenças, quanto no tocante à seleção de material aberto para reuso em materiais didáticos.

O bate-papo "Direitos autorais: o que não te contaram!" está disponível no YouTube.


Os slides usados no bate-papo estão disponíveis clicando aqui.

Comentários



Postagens mais visitadas deste blog

Reflexões sobre o retorno às atividades de ensino remoto durante o período de isolamento devido à COVID-19

Para quem não me conhece, sou professor na UTFPR Curitiba, mas de forma alguma este texto representa a opinião da instituição ou de qualquer órgão interno ou externo ao qual estou vinculado. Trata-se, portanto, de uma opinião pessoal. São reflexões e percepções que fui construindo com o passar das últimas semanas, em várias leituras e conversas durante o período de isolamento contra a COVID-19, sobre a possibilidade de retorno com as aulas na modalidade remota em nossas universidades públicas. É possível que eu não contemple todas as nuances do problema, mas precisamos discuti-lo. Observo ainda que não há um certo ou errado na situação em que vivemos, então sugiro que exercitemos a empatia acima de tudo.
Tenho plena consciência de que a minha experiência com ensino é limitada, pois exerço a profissão há apenas 3 anos. No início da suspensão das atividades presenciais, achei muito fácil me adaptar ao ensino remoto (que por vezes chamei erroneamente de ensino à distância, que se trata de…

Como acessar artigos científicos gratuitamente sem estar na rede da sua instituição de ensino?

"Artigo científico é o trabalho acadêmico ou científico que apresenta e discute ideias, métodos, técnicas, processos e resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico ou inferência conforme a hermenêutica das humanidades, cujo conhecimento produzido é aceito por uma comunidade de pesquisadores. Por esse motivo, considera-se científico o artigo que foi submetido a exame por outros cientistas, que verificam as informações, os métodos e a precisão lógico-metodológica das conclusões ou resultados obtidos." (Fonte: Wikipédia)

O acesso a artigos científicos publicados por importantes revistas e editoras tem, quase sempre, algum custo associado. Recentemente, tem se tornado comum a publicação de artigos no modo Open Access (acesso aberto), o qual não requer que seus leitores façam qualquer tipo de pagamento ou cadastro, mas que só é publicado mediante o pagamento de altas taxas, recurso que nem todo pesquisador tem ao seu alcance.

Alunos costumam ter…

Meu primeiro ano como Coordenador de Curso (y otras cositas más)

Quando 2018 estava terminando, eu era apenas um professor da UTFPR Curitiba que havia sido convidado a assumir uma coordenação de curso, mas que não tinha ideia de como seria 2019. A ideia de ser o responsável por um curso de graduação me empolgava e me assustava ao mesmo tempo: a empolgação era proveniente da possibilidade de promover mudanças e o medo estava ligado ao desconhecido.
Fevereiro de 2019 chegou e com ele uma enxurrada de reuniões. Comecei a sentir e entender quais eram os objetivos e a organização da atual gestão do campus Curitiba e, indiretamente, da reitoria. Nesse momento ainda era muito difícil ter uma ideia da dimensão do papel de Coordenador, mas já era possível começar a imaginar.


A minha parceira de trabalho, Profa Tânia, assumia à época a chefia do departamento e, ao mesmo, me passava o bastão da coordenação de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações. Para minha sorte, ela é uma pessoa extremamente acessível e eu gosto de ajudar quem me ajuda, então a nossa…