Pular para o conteúdo principal

A experiência com o WoCCES 2020: precisamos aprender com a pandemia e tornar os nossos eventos científicos mais inclusivos

O Wokshop on Communiations in Critical Embedded Systems (WoCCES) está na sua oitava edição em 2020. Participo da organização do evento desde a segunda edição, quando ainda se tratava de um workshop voltado apenas à comunidade brasileira. Desde 2018, o WoCCES faz parte do International Symposium on Computers and Communications (ISCC).

Apesar das várias edições realizadas e da experiência acumulada, a pandemia do novo coronavírus, que "sacudiu" o mundo inteiro, refletiu diretamente na organização do evento. Inicialmente, ele seria realizado presencialmente na cidade de Rennes (França) em Julho. Porém, com as restrições a aglomerações, o evento se tornou online e assíncrono, com apresentações gravadas e disponibilizadas no site.

A transformação para o modelo virtual, da forma como foi realizado, reduz as chances de interação entre os participantes, mas amplia o acesso a pessoas que, por diversos motivos, não poderiam pagar pelo evento e muito menos pela viagem até a França. Talvez essa deva ser a crítica para os nossos próximos eventos, mesmo pós-pandemia: como está a inclusão na comunidade científica?

Sei que esse é um assunto antigo e que lida com muitas questões de Copyright, mas estamos longe de ter uma solução e precisamos ampliar o debate.

Agradeço aos colegas da organização e do comitê técnico, e também aos pesquisadores que confiaram seus trabalhos ao nosso workshop. Para acessar os artigos e algumas apresentações associadas, acesse o site do WoCCES 2020.

Comentários



Postagens mais visitadas deste blog

O Protocolo IPv6: expansão das redes, aplicações e o processo de implantação; veja a live

O estoque de endereços IPv4 para a região da América Latina esgotou-se no mês de agosto de 2020. As previsões desse esgotamento vinham sendo discutidas há muitos anos e políticas de apoio e incentivo ao uso de seu substituto, o IPv6, vêm sendo realizadas há muitos anos. Mesmo assim, a maioria dos sistemas no mundo ainda usam IPv4 e a mudança ocorre de maneira muito lenta. Você sabe o que motivou essa mudança e por que ela é tão importante para as aplicações atuais?
A quarta live do Curso Aberto de Redes, realizada na última terça (22/09) por meio do Cafezíneos Live, recebeu o convidado Rayner M. Pires (Doutor em Ciências de Computação pela USP) para uma conversa sobre o tema O Protocolo IPv6: expansão das redes, aplicações e o processo de implantação. Participaram da mediação o Prof. Daniel Fernando Pigatto (UTFPR Curitiba), a Profa. Natássya Silva (UTFPR Cornélio Procópio) e a Profa. Tânia Monteiro (UTFPR Curitiba). 
Esta live contou também com tradução em tempo real para LIBRAS, aumen…

Cidades Inteligentes: conceitos, serviços e tecnologias; veja a live

O conceito de Cidade Inteligente integra inúmeros dispositivos físicos conectados à Internet das Coisas com o objetivo de otimizar a eficiência das operações e serviços da cidade, melhorar a qualidade, desempenho e interatividade dos serviços urbanos, reduzir custos e consumo de recursos e aumentar o contato entre cidadãos e o governo. As cidades inteligentes podem ajudar tanto o poder público a reconhecer problemas em tempo real, quanto o cidadão a produzir informações, auxiliando a mapear, discutir e enfrentar essas dificuldades.  A quinta live do Curso Aberto de Redes, realizada na última terça (06/10) por meio do Cafezíneos Live, recebeu a Profa. Keiko Fonseca (UTFPR Curitiba) e o Prof. Ricardo Luders (UTFPR Curitiba) para um bate-papo a respeito de Cidades Inteligentes: conceitos, serviços e tecnologias encontrados em cidades inteligentes. Participaram da mediação o Prof. Daniel Fernando Pigatto (UTFPR Curitiba), a Profa. Natássya Silva (UTFPR Cornélio Procópio) e a Profa. Tânia M…

Como funciona a Netflix?

Quem já fez aula de Redes de Computadores comigo ou acompanha este blog desde o início, talvez conheça o meu "famoso" estudo de caso sobre a Netflix. Em 2017, eu desenvolvi, despretensiosamente, o estudo de caso Como funciona a Netflix? e ele passou a ser um elemento obrigatório nas minhas disciplinas.
O grande acerto nesse estudo de caso foi a adoção do seriado Stranger Things como tema da apresentação, deixando tudo com um leve tom de humor, o que, por sua vez, sempre envolve os ouvintes e abre espaço para o provimento de informações importantes para o estudo.
Hoje, com o andamento do meu Curso Aberto de Redes, gravei o vídeo relacionado a esse estudo de caso. Os números foram atualizados e o estudo de caso ficou ainda mais interessante devido à quarentena. 
E você, faz ideia de como funciona a Netflix? Veja o vídeo: