Pular para o conteúdo principal

Você sabe o que é Computação em Névoa?


Provavelmente você já ouviu falar sobre a "nuvem". Segundo a Wikipédia, a computação em nuvem é "a disponibilidade, sob demanda, de recursos computacionais, especialmente armazenamento e processamento de dados, sem o gerenciamento ativo direto do utilizador." Este é um termo bastante conhecido e que já faz parte do nosso dia a dia, provendo serviços e aplicações de vasto uso, como, por exemplo, o Google Drive, o Trello ou dando suporte a aplicativos de celular como Uber e iFood.

Agora, pergunto: você já ouviu falar em computação em névoa? É isso mesmo que você leu: névoa (ou neblina). Trata-se de um novo paradigma na área de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos, inventado em 2012, que tem ganhado espaço para o suporte a aplicações muito importantes, como a Internet das Coisas.

Venha saber um pouco mais sobre a tal Computação em Névoa assistindo ao Estudo de Caso que liberei como material integrante do Curso Aberto de Redes:


Ei! Você, educador ou educadora, gostaria de utilizar a minha apresentação sobre Computação em Névoa para as suas aulas. Ela está disponível sob licença Creative Commons neste endereço.

Comentários



Postagens mais visitadas deste blog

O Protocolo IPv6: expansão das redes, aplicações e o processo de implantação; veja a live

O estoque de endereços IPv4 para a região da América Latina esgotou-se no mês de agosto de 2020. As previsões desse esgotamento vinham sendo discutidas há muitos anos e políticas de apoio e incentivo ao uso de seu substituto, o IPv6, vêm sendo realizadas há muitos anos. Mesmo assim, a maioria dos sistemas no mundo ainda usam IPv4 e a mudança ocorre de maneira muito lenta. Você sabe o que motivou essa mudança e por que ela é tão importante para as aplicações atuais?
A quarta live do Curso Aberto de Redes, realizada na última terça (22/09) por meio do Cafezíneos Live, recebeu o convidado Rayner M. Pires (Doutor em Ciências de Computação pela USP) para uma conversa sobre o tema O Protocolo IPv6: expansão das redes, aplicações e o processo de implantação. Participaram da mediação o Prof. Daniel Fernando Pigatto (UTFPR Curitiba), a Profa. Natássya Silva (UTFPR Cornélio Procópio) e a Profa. Tânia Monteiro (UTFPR Curitiba). 
Esta live contou também com tradução em tempo real para LIBRAS, aumen…

Cidades Inteligentes: conceitos, serviços e tecnologias; veja a live

O conceito de Cidade Inteligente integra inúmeros dispositivos físicos conectados à Internet das Coisas com o objetivo de otimizar a eficiência das operações e serviços da cidade, melhorar a qualidade, desempenho e interatividade dos serviços urbanos, reduzir custos e consumo de recursos e aumentar o contato entre cidadãos e o governo. As cidades inteligentes podem ajudar tanto o poder público a reconhecer problemas em tempo real, quanto o cidadão a produzir informações, auxiliando a mapear, discutir e enfrentar essas dificuldades.  A quinta live do Curso Aberto de Redes, realizada na última terça (06/10) por meio do Cafezíneos Live, recebeu a Profa. Keiko Fonseca (UTFPR Curitiba) e o Prof. Ricardo Luders (UTFPR Curitiba) para um bate-papo a respeito de Cidades Inteligentes: conceitos, serviços e tecnologias encontrados em cidades inteligentes. Participaram da mediação o Prof. Daniel Fernando Pigatto (UTFPR Curitiba), a Profa. Natássya Silva (UTFPR Cornélio Procópio) e a Profa. Tânia M…

Como funciona a Netflix?

Quem já fez aula de Redes de Computadores comigo ou acompanha este blog desde o início, talvez conheça o meu "famoso" estudo de caso sobre a Netflix. Em 2017, eu desenvolvi, despretensiosamente, o estudo de caso Como funciona a Netflix? e ele passou a ser um elemento obrigatório nas minhas disciplinas.
O grande acerto nesse estudo de caso foi a adoção do seriado Stranger Things como tema da apresentação, deixando tudo com um leve tom de humor, o que, por sua vez, sempre envolve os ouvintes e abre espaço para o provimento de informações importantes para o estudo.
Hoje, com o andamento do meu Curso Aberto de Redes, gravei o vídeo relacionado a esse estudo de caso. Os números foram atualizados e o estudo de caso ficou ainda mais interessante devido à quarentena. 
E você, faz ideia de como funciona a Netflix? Veja o vídeo: